CASAN realizou nova fiscalização na rede de esgoto do Campeche

Nesta terça-feira, 27, equipes do Setor de Esgotos da CASAN voltaram ao Campeche para mais uma etapa da ação de fiscalização às ligações clandestinas de esgoto. Desta vez o trabalho teve o apoio de dois caminhões que retiraram 10 cargas de esgoto irregular misturado à água da chuva despejado na rede coletora, que ainda não está em operação. O volume chegou a 120 mil litros. As equipes ainda identificaram e lacraram 10 ligações irregulares à rede coletora, que só vai entrar em operação após a construção da Estação de Tratamento que está em processo de licitação.

Além de ilegal, a ligação antecipada à rede causa mau cheiro e extravasamento do esgoto nas vias públicas, já que as redes não estão preparadas para receber os efluentes. Coordenadas pelo engenheiro Gabriel Pessina, os técnicos também distribuíram folhetos informativos sobre a necessidade de os imóveis manterem suas fossas sépticas funcionando até que o Sistema esteja operando.

A finalização da obra aguarda a construção da Estação de Tratamento de Esgotos do Rio Tavares para entrar em operação. A empresa Infracon, de Minas Gerais, venceu a licitação realizada pela CASAN para construção da Estação. Atualmente o resultado da licitação e o contrato para execução das obras estão em análise pela Caixa Federal (órgão financiador do projeto) e Ministério das Cidades.

A unidade que será construída em terreno da CASAN no Rio Tavares receberá investimento de R$ 34,8 milhões, permitindo que entrem em operação, em uma primeira etapa, quase 45 quilômetros de redes já implantadas no Campeche. O tratamento será do tipo terciário, considerado o mais completo. O prazo de construção é de 24 meses, e somente depois os moradores receberão orientação da CASAN para fazer sua ligação à rede coletora. 

Fonte: CASAN

Redação DuCampeche