Obras no Sul da Ilha

Após entrevista com o engenheiro e Secretário Adjunto da Secretaria de Obras, Americo Pescador, não restam dúvidas: O Elevado do Rio Tavares é a principal obra em andamento no Sul. Mas, ao contrário do que gostaríamos, as coisas não vão como o planejado. O primeiro impedimento é o projeto de cimbramento, que é a fixação ou escoramento das bases de concreto armado, cujo planejamento inicial era de se construir com eucaliptos, mas durante as obras concluiu-se que o solo não era o ideal para este tipo de material. A solução, agora, é orçar um projeto para utilizar metal e não mais madeira.

Segundo o engenheiro, quando questionamos o motivo de não ter avaliado a qualidade do solo anteriormente (e não precisar contar com este imprevisto), Pescador falou que “seria possível concluir o projeto de cimbramento com os eucaliptos, mas levaria mais tempo, colocando em risco o prazo final da obra (que é de novembro de 2016)”. Então, para agilizar o processo, e manter o prazo em dia, a obra está à espera de um novo orçamento para seguir em frente.

Outro motivo que acarreta lentidão à obra segundo Pescador, é a questão das desapropriações, que não estão acontecendo pois o Governo não libera a verba destinada aos proprietários desde o final do ano passado. Sem desapropriações o trabalho dos arqueólogos realizado nos sambaquis não acontece, freando a obra novamente. Esse dinheiro depende do Estado e ainda não tem um prazo definido para ser obtido.

Já as obras de pavimentação em algumas ruas do Sul da Ilha estão acontecendo conforme a verba entra e as licitações são aprovadas. Na Armação do Pântano do Sul, foi assinada a ordem de serviço para o início da pavimentação e drenagem da servidão Leôncio Amaro Duarte. Outra ordem de serviço trata da pavimentação e drenagem da Servidão João Euzébio de Sá, com 151 metros de extensão. No Ribeirão da Ilha, foi assinada a ordem de serviço para as obras nas Servidões Manoel Conceição Moreira Filho, com 350 metros, e Manoel Jorge Filho, com 330 metros. No bairro Tapera, as obras das servidões Sol Poente e do Luar, que já começaram, acontecem em ritmo “acelerado”, segundo a Prefeitura.

Também segundo a Prefeitura, “as obras de pavimentação da servidão Coruja Dourada, no bairro Campeche, ficaram paradas por um tempo e foram retomadas no início de fevereiro. A Coruja Dourada tem aproximadamente 1.200 metros. O serviço de drenagem já foi concluído e agora está sendo pavimentada com lajotas o terço final da via. A obra está orçada em aproximadamente R$ 523 mil”.

Questionado sobre os buracos das vias, Americo Pescador ressaltou que esta é uma operação que faz parte da rotina da Secretaria. Após períodos de chuvas, como o que atingiu a região nos últimos dias, equipes se unem para fiscalizar as ruas e tapar os buracos. “A população também precisa se conscientizar”, afirmou ainda o engenheiro, referindo-se a questões de alinhamentos de muros e construção de calçadas, que é de responsabilidade dos cidadãos. “Se cada um ceder um pouco, facilita o nosso trabalho com as obras (no geral)”, afirmou Pescador.

Depois de tanto papo e assinaturas, queremos ver mãos à obra!

Para questões de fiscalização e denúncias relacionadas à Secretaria de Obras, ligue: (48) 3251-4951.

 

Da Redação DuCampeche

Foto: Petra Mafalda/PMF